Concórdia – O juiz Marcus Vinícius Von Buttencourt da Comarca de Concórdia deu prazo de 15 dias para que representantes da Companhia Catarinense de Água e Saneamento – CASAN – anexe na Ação Civil Pública detalhes do plano de ação que foi estabelecido nas últimas semanas visando resolver o problema da falta de água no Município. O encaminhamento foi dado durante audiência realizada com a estatal na tarde desta terça-feira, dia 23, no Fórum da Comarca.

De acordo com o encaminhamento do magistrado, a Prefeitura de Concórdia também deverá anexar ao processo detalhes dos gastos para contratação de caminhões pipa visando abastecer a cidade no período crítico de abastecimento de água. Com a comprovação dos gastos será possível buscar um ressarcimento junto a direção da Casan.

A próxima audiência está marcada para o dia 11 junho quando novos encaminhamentos serão tomados pelo judiciário. O Ministério Público, autor da Ação Civil Pública, também esteve acompanhando os desdobramentos da audiência. Também foi debatido entre Casan, Ministério Público e Prefeitura de Concórdia uma indenização por danos morais coletivos por parte da Casan.

Há 30 dias aproximadamente a Casan novamente enfrentou problemas graves com o desabastecimento em Concórdia. Algumas famílias chegaram a compartilhar água de piscina para conseguir utilizar o banheiro dos imóvel. A situação ficou tão grave que a Administração Municipal chegou a decretar situação de emergência cobrando da Casan medidas urgentes para resolver o problema da falta de abastecimento.

Dois caminhões pipa ainda estão em Concórdia atendendo a Casan e alguns equipamentos já estão sendo trocados visando amenizar a falta de água no Município. O problema da Casan é antigo e se arrasta por muito tempo. No final do ano que vem o contrato de concessão vencerá e a Prefeitura de Concórdia está estudando alternativas, caso não seja renovado.