Em julgamento finalizado nesta terça-feira, o STJ (Superior Tribunal de Justiça) acolheu pedidos da CBF e da FPF (Federação Paulista de Futebol) e derrubou uma indenização milionária a que as duas entidades tinham sido condenadas pelo escândalo da Máfia do Apito de 2005.

A CBF e FPF, assim como os ex-árbitros Edilson Pereira de Carvalho e Paulo José Danelon e o apostador Nagib Fayad, tinham todos sido condenados no Tribunal de Justiça de São Paulo por danos morais coletivos por causa do esquema de manipulação de resultados nos Campeonatos Brasileiro e Paulista daquele ano.

A mando de apostadores, liderados por Fayad, Edilson e Danelon manipularam partidas para fraudar resultados. O Brasileiro de 2005 teve 11 jogos anulados pelo STJD por causa do escândalo.

Segundo o advogado que representou a Federação Paulista de Futebol, Samuel Bueno, o valor atualizado da indenização que cabia à entidade já alcançava R$ 25 milhões.

O pedido dos réus foi julgado pela Terceira Turma do STJ e acolhido por maioria dos votos (3 a 2). O acórdão ainda não foi publicado. O Ministério Público, autor da ação, pode recorrer.