Concordia – O policial militar Juliano Ritter, de 31 anos, natural de Concórdia, mas que estava na PM em São Paulo, morreu neste domingo, dia 28, depois de ser atingido por um disparo durante o trabalho. Os familiares residem no bairro das Nações em Concórdia.

O corpo deverá ser transladado de São Paulo para Concórdia nas próximas horas para os atos fúnebres. Os encaminhamentos ainda estão sendo dados pela Polícia Militar de São Paulo.

O concordiense Juliano Ritter, pertencia ao efetivo do 39º Batalhão da Polícia Militar do Interior, com sede em São Vicente/SP. O Policial Militar estava na atividade policial quando foi alvejado por um disparo de arma de fogo. Ele foi socorrido, mas foi a óbito.

O policial que foi baleado com um tiro na cabeça morreu após passar por uma cirurgia de emergência no final da tarde deste domingo , dia 28, em São Vicente, no litoral de São Paulo. A Polícia busca por informações que ajudem a identificar e prender o autor.

Logo após o crime, ele foi encaminhado para o Hospital Municipal, onde passou por uma cirurgia neurológica e estava em ventilação mecânica. No entanto, seu quadro era grave e, às 18h24, ele faleceu. O corpo será encaminhado ao Instituto Médico Legal (IML) de Praia Grande.

SOBRE O CRIME

O crime ocorreu por volta das 13h40, quando o soldado Ritter estava trabalhando junto de outra policial, em frente ao prédio da Escola Técnica de Economia Criativa (Etecri) de São Vicente, na Avenida Nações Unidas, próximo à Ponte dos Barreiros. O suspeito se aproximou e efetuou alguns disparos contra a equipes, acertando a vítima na cabeça.

Para defendê-los, a policial revidou os disparos, mas o suspeito conseguiu fugir. As autoridades suspeitam que o tiro tenha sido feito pelas costas do soldado. Equipes da Polícia Militar buscam pelo homem autor do disparo. O caso foi registrado no plantão Policial da Delegacia Sede de São Vicente, e será investigado.