A controladora de voos boliviana Célia Castedo Monastério foi presa na quinta-feira(23) pela Polícia Federal em Corumbá, no Mato Grosso. Célia foi a responsável pela autorização do voo que levou  a delegação da Chapecoense à Colômbia, no dia 29 de novembro de 2016, e que acabou caindo numa região montanhosa, próxima do aeroporto de Rionegro, morrendo 71 pessoas e sobrevivendo apenas 6.

O verdão iria enfrentar o Atlético Nacional de Medelin  no dia 30,  valendo o título de campeão da Copa Sul-Americana. A prisão foi ordenada pelo Supremo Tribunal Federal, (STF) através do Ministro Gilmar Mendes, atendendo pedido das autoridades da Bolívia. Célia, acusada de crime de atentado a segurança do espaço aéreo, vai ser extraditada.

Célia estava refugiada no Brasil, e morava em Corumbá, na fronteira entre os dois países, onde vivia normalmente. Ela alegou perseguição na Bolívia para pedir refúgio em solo brasileiro.