Chapecó – Um homem de 32 anos, que morava em situação de rua, morreu com sintomas do novo coronavírus em Chapecó, no Oeste de Santa Catarina, na quarta-feira (25). A Secretaria de Saúde do município não detalhou se foi realizada coleta de material para exames.

Antes disso, conforme a Polícia Militar, o homem estaria internado em observação no hospital desde a terça-feira (24), mas fugiu do local, por volta da 1h de quarta (25). 

Durante o dia, segundo a polícia, o homem teria se queixado aos amigos que estaria com dificuldades para respirar e teria tossido muito. “O homem apresentava sintomas de Covid-19”, diz o relatório da Polícia Militar. 

As informações foram repassadas por dois homens que estavam junto com o cidadão no momento da morte. Eles foram orientados pelos policiais a procurarem atendimento médico, caso apresentassem algum sintoma relacionado ao novo coronavírus.

O homem foi encontrado morto em um terreno baldio, no bairro São Cristóvão, por volta das 21h45. Os socorristas do Samu ainda checaram os sinais vitais, mas logo a equipe confirmou a morte.

Remoção do corpo 

Devido à condição de morte natural, de acordo com o relatório da polícia, o Resgate Social Municipal esteve no local. Um médico do SVO (Serviço Municipal de Verificação de Óbitos) atestou a morte. Na sequência, o corpo foi removido por uma funerária de Chapecó.

Por telefone, um funcionário da empresa confirmou ao nd+ que o cadáver foi lacrado em um caixão e levado até a funerária.

Lá, ficou isolado até o amanhecer desta quinta (26), quando foi sepultado no Cemitério Jardim do Éden, em Chapecó. Por orientação médica, conforme o funcionário, a família não pôde realizar o velório.

No relatório da Polícia Militar consta, ainda, que a Vigilância Epidemiológica de Chapecó seria comunicada sobre a morte. O nd+ procurou o município para comentar sobre o assunto, mas a assessoria não confirmou o diagnóstico, nem detalhou a informação. 

“O Serviço Municipal é responsável em fazer a declaração de óbito. Esta declaração é entregue à Vigilância Epidemiológica do município e aos familiares ou responsáveis. As informações do documento são resguardadas pelo sigilo profissional e estão entre as vedações ao médico”, informou a nota enviada pelo município à reportagem. 

A reportagem apurou que o cidadão possuía histórico clínico de doenças. O município também não informou se foi coletado material genético do homem para exame laboratorial. Os policiais que atenderam o caso tomaram os devidos cuidados durante a ocorrência, conforme a PM.

Em coletiva, o município foi questionado sobre o assunto 

Durante a coletiva de imprensa na manhã desta quinta-feira, o município foi questionado sobre o assunto. O médico infectologista Hugo Noal da Silva disse que todas as pessoas que buscam atendimento na emergência do Hospital Regional do Oeste são atendidas. 

“Acredito que deve ter sido atendido e, por alguma razão de escolha própria, evadiu. Não houve nenhuma complicação, não temos relato de nenhuma pessoa desassistida e muito menos que alguém teve alguma complicação quanto a isso”, afirmou o médico. 

Ainda na reunião, o município confirmou o quarto caso de coronavírus em Chapecó, mas não detalhou a informação, apenas disse que se trata de um profissional da saúde. (Por NDMais)